Na vida profissional, há decisões que nos colocam à prova. Optar por trabalhar por conta própria ou, como quem diz, ser freelancer, pode implicar percorrer um caminho menos estável financeiramente e enfrentar muitos desafios.

Porém, nada se compara às conquistas que acabamos por conseguir ao longo do tempo. Com a aquisição de experiência, o recurso às novas tecnologias e organização, é possível ser-se bem-sucedido.

Ao conquistar a tão desejada liberdade para escolher os projetos a trabalhar, ao ter a possibilidade de fazer o orçamento mais justo, ao aproveitar a flexibilidade de horários para variar no local de trabalho, gerir horários de acordo com a vida pessoal e até para investir em formação.

Para as empresas, o cenário atual tem levado a uma grande procura deste formato, que é visto como uma forma aceder diretamente às competências e ao talento dos freelancers, sem os custos associados a um emprego fixo.

Sabendo que nem todas as profissões se adaptam a esta autonomia, ser freelancer tem sido uma opção muito associada a áreas criativas e artísticas, como é o caso de publicitários, copywriters, designers, programadores, consultores, fotógrafos, jornalistas, escritores, tradutores, produtores, realizadores, atores, entre outras.

No mercado de trabalho europeu e segundo o estudo “Freelancing in Europe”, lançado no início de 2019 pela plataforma francesa Malt e o EFIP (European Forum of Independent Professionals), os números falam por si quando se trata das categorias mais proeminentes:

“30,9% encontra-se na categoria Marketing e Comunicação, enquanto 18% está na categoria Artes, Entretenimento e Recreação.”

Quanto às razões para se tornarem freelancers, a opinião dos participantes foi unânime:

“47% considera a flexibilidade como fator importante.”

Considerando que existem cerca de 11 milhões de trabalhadores independentes no continente europeu, o estudo vem reforçar que isto de ser freelancer é, apesar de alguns obstáculos, uma tendência em ascensão.

 “A esmagadora maioria dos freelancers da UE está feliz com a sua situação.”

Em Portugal, a maior rede de freelancers encontra-se na Indústria Criativa, uma plataforma direcionada para designers e criativos do nosso mercado de trabalho.

Se pretendes iniciar a tua carreira como freelancer, começa por criar um logotipo ou criar um site profissional, não percas a oportunidade de trabalhar com os melhores Designers de Portugal e do Brasil.