Ser freelancer tem a grande vantagem de nos permitir conciliar a vida profissional com a pessoal, de forma muito consciente e saudável, mais ainda na área criativa.

Pela flexibilidade de horários e a escolha dos espaços laborais, cada vez mais, surgem pessoas a aderir ao trabalho a partir de “casa” e empresas, como agências de publicidade e departamentos de comunicação de multinacionais, a recorrer aos seus serviços.

Embora por razões diferentes, esta tendência cria um certo equilíbrio no mercado, dando espaço para existirem equipas fixas que garantem uma produtividade contínua, freelancers que realizam os trabalhos pontuais e empresas que podem, assim, responder a todos os géneros de clientes e projetos, sem colocar em causa a rentabilidade da estrutura. No fundo, todos ficam a ganhar.

Vamos agora explorar as vantagens de ser freelancer no mercado criativo.

Sem chefes, sem pressões.

Começamos por aquela que será, muito provavelmente, uma das principais motivações para os freelancers. Poder gerir e controlar os projetos do início ao fim significa ter menos pressão na hora de negociar as melhores condições, sejam os valores, o prazo ou o local de trabalho (presencial versus à distância).

Porém, recomendamos alguma precaução na relação profissional que passa a existir com os clientes, agora de forma direta. Afinal, é importante que não se tornem, eles próprios, chefes.

Mais clientes, menos monotonia.

Dentro de uma estrutura, como agências de comunicação, podem acontecer várias coisas: trabalhar com o mesmo cliente num longo período de tempo, aproveitando a vantagem de conhecer muito bem os valores da marca; trabalhar com vários clientes ao mesmo tempo, sem que haja uma relação contínua com qualquer um deles; trabalhar projetos de outros colegas que, por alguma circunstância, não podem terminar o que iniciaram; ter picos de trabalho que implicam fazer horas extra ou ter alturas em que os projetos parecem adormecidos. Seja como for, é garantido que o trabalhador recebe mensalmente o seu ordenado fixo.

No caso do freelancer, “tudo é possível” a partir do momento em que pode escolher qual a melhor forma de trabalhar, mas também precisa criar uma carteira de vários clientes para garantir um ordenado mensal que compense o esforço e empenho.

Assim, quanto mais clientes existirem, mais variedade existirá nos processos, no próprio teor dos projetos ou até mesmo pelo facto de um freelancer não poder ficar limitado ao seu papel (ao mesmo tempo, torna-se criativo, gestor, contabilista, etc.), o que leva a uma grande aprendizagem e maior crescimento profissional.

Liberdade para ser criativo.

Em especial nas áreas criativas, é preciso existir espaço e tempo para explorar vários e diferentes caminhos, os tais que levam às melhores ideias, muitas vezes denominadas “fora da caixa”.

Acreditamos, por isso, que os freelancers têm claramente a vantagem (na maioria das vezes, verdade seja dita) de poder criar o seu próprio processo, desfrutando de uma grande flexibilidade profissional.

Do horário mais conveniente ao melhor ambiente para se trabalhar concentrado, tudo conta para que haja uma maior liberdade criativa. Afinal, basta pegar no portátil e trabalhar da forma que “apetecer”, em casa ou numa esplanada, sozinho ou em coworking. O mais importante é que se sinta confortável e inspirado para criar.

Economizar por um lado, ganhar por outro.

Independentemente do local escolhido para trabalhar, é possível economizar bastante nas despesas de deslocação e refeições, ou até em ATL, para quem tem filhos. E quem economiza no orçamento familiar e nas viagens para o trabalho, já está a ganhar tempo e qualidade de vida.

Por outro lado, é crucial que o freelance compense como fonte de rendimento, já a contar com os descontos legais. Também aqui podemos reforçar que existe uma maior flexibilidade de valores, que pode ser positiva ou negativa, dependendo do orçamento do cliente e, mais importante, do nível de qualidade do trabalho do freelancer.

A ideia é garantir que os clientes fiquem satisfeitos ao ponto de voltarem a contactar o freelancer ou recomendarem-no a outras pessoas/empresas.

Por tudo isto, convém manter o portfólio atualizado em plataformas digitais conhecidas no mercado, como é o caso da Indústria Criativa.